Brasil, SP, , , |

Ajude a FCCC a combater os fenômenos do Sul e Sudeste. Para ajudar nas operações da Fundação nesses locais, você pode colaborar de duas formas:

Artigos

Agência Estado

Médium brasileira alertou Bush sobre tragédia

Luciana Xavier

São Paulo, 14 de setembro de 2001

São Paulo – Mais de um mês antes dos ataques terroristas nos Estados Unidos, a médium brasileira Adelaide Scritori havia alertado o presidente norte-americano George W. Bush sobre os perigos de uma tragédia durante a primeira quinzena de setembro. Em carta enviada no dia 3 de agosto, a Adelaide traz como referência o título “Terror no ar atingirá duramente o coração americano”. A médium diz receber o espírito Cacique Cobra Coral e preside a fundação com mesmo nome, com sede em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Na carta, Adelaide recomenda que “seja enfatizada junto aos órgãos de segurança a necessidade urgente de um controle rigoroso do espaço aéreo norte, especialmente Nova York e Washington” e que “o presidente evite pernoitar na Casa Branca durante os dias 11 e 12 de setembro”.

“Uma grande chama se derramará”

Adelaide, que tem suas visões sempre dormindo, avisa que “pela manhã será visto grande fogo, estrondo e claridade para o norte e haverá gritos e morte. A 45 graus, o céu queimará, com o terror a aproximar-se da Grande Cidade Nova e de imediato uma grande chama se derramará”.

De acordo com o diretor da Fundação Cacique Cobra Coral, Osmar Santos, a entidade enviou esta semana outra carta para Bush e uma também para o primeiro-ministro britânico, Tony Blair. O conteúdo dos documentos, no entanto, não foi revelado. Mas no site da fundação (www.fccc.org.br), há o alerta de que a tragédia norte-americana foi “apenas o começo”. “Perigo no ar continua. Ainda há inimigo em solo americano”, diz o site. E acrescenta: “Tony Blair: o pior está por vir”.

Palestina e Israel

Esta não é a primeira vez que a médium tenta alertar autoridades governamentais sobre suas visões. Em 1995, o primeiro-ministro de Israel Yitzhak Rabin havia sido avisado com dez semanas de antecedência de que seria “alvo de três tiros num atentado à queima-roupa”. Rabin foi assassinado em novembro daquele ano.

No mesmo mês, outro aviso foi dado, desta vez ao líder da Organização pela Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat. Segundo o fax enviado na época, o líder precisaria reforçar sua segurança para não ter o mesmo destino de Rabin. Não se sabe se Arafat chegou a ser informado das recomendações vindas do Brasil, mas pouco depois de ter enviado o alerta, foram presos palestinos que planejavam matar Arafat.

A Fundação Cobra Coral é uma entidade esotérica-científica voltada para previsões e alterações climáticas, que afirma ter entre seus clientes políticos, multinacionais e entidades de outros 17 países.

Fonte:

Luciana Xavier / Agência Estado
Compartilhar: