Brasil, SP, , , |

Ajude a FCCC a combater os fenômenos do Sul e Sudeste. Para ajudar nas operações da Fundação nesses locais, você pode colaborar de duas formas:

Artigos, ENERGIA

O Globo

Cacique Cobra Coral diz que Alckmin e Dilma ignoraram alerta sobre crise hídrica

Fundação faz previsões meteorológicas positivas para o Rio

Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2014

RIO — Com um longo histórico de previsões meteorológicas em eventos como Rock in Rio e diversas festas de réveillon cariocas, a Fundação Cobra Coral afirma que alertou, em agosto, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o prefeito da capital, Fernando Haddad, e a presidente Dilma Rousseff sobre a crise da falta de água. De acordo com o porta-voz Osmar Santos, a fundação comandada pela médium Adelaide Scritori, que diz incorporar o espírito do cacique Cobra Coral, capaz de influenciar o clima, eles propuseram uma obra para interligar os reservatórios de água de São Paulo para garantir o abastecimento na Cantareira, mas receberam uma resposta negativa. Sobre o Rio de Janeiro, ele aponta uma perspectiva positiva: “Vai chover a partir de 27 de outubro”.

— Em 30 de agosto alertamos o governo federal e o estado de São Paulo de tal calamidade. Eles disseram que por conta das eleições só pensariam nessa obra em 2015. Não tivemos um apagão ainda por conta da recessão no país, que fez com que as indústrias reduzissem suas produções, o que gerou uma economia de energia — comenta Santos.— José Serra, quando prefeito, fez o contrato conosco. Quando Kassab assumiu, ele decidiu manter, mas não honrou o contrato de que todos os governo conveniados são obrigados a nos enviar relatórios das obras que teriam impacto na natureza. Como São Paulo desviou os recursos das obras contra enchentes para outras prioridades, não enviaram os relatórios, então encerramos o contrato em 2012.
Durante sabatina promovida por O GLOBO nesta quinta-feira, o governador e candidato à reeleição, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que a falta de água será motivo de preocupação no Rio de Janeiro caso não chova em 30 dias. Ele ainda comentou a renovação de contrato com a prefeitura do Rio de Janeiro, prevendo que as chances de chuva aumentam um dia após o segundo turno das eleições.— Na próxima semana, na madrugada de domingo para segunda-feira, já chegará um pouco de umidade no Rio, mas se intensificará mais a partir do dia 27 de outubro. Neste dia vai chover, mas ainda vai ser pouco e ao longo da semana teremos mais resultado. Desde o dia 14 uma operação foi iniciada a pedido da prefeitura do Rio para elevar a umidade na cidade e no estado — comenta Santos. — Dessa forma, apesar do atraso (das chuvas) previstas para agosto, as águas estão a caminho e vão melhorar a partir de 27 de outubro, quando retomaremos o convênio com o Ministério de Minas e Energia, rompido em maio último.

PS: As operações da FCCC tem o apoio financeiro da Tunikito Corretora de Seguros