Brasil, SP, , , |

Ajude a FCCC a combater os fenômenos do Sul e Sudeste. Para ajudar nas operações da Fundação nesses locais, você pode colaborar de duas formas:

Artigos

O Globo

2016 é hoje – Rio pode realizar sonho antigo

Rio de Janeiro, 2 de outubro de 2009

Pela primeira vez desde a década de 30, quando o Rio disputou sediar uma olimpíada, a cidade chega hoje à final da eleição para os Jogos Olímpicos de 2016.
Na véspera da escolha, autoridades e cidadãos brasileiros, na capital da Dinamarca, vestiram a camisa do Rio, numa espécie de boca de urna. O jornal britânico “The Times” acha que é justo o Rio ganhar.
Boca de urna pelo Rio
Na véspera da eleição, brasileiros fazem lobby frenético junto a delegados do COI

Os brasileiros que estão em Copenhague defendendo a candidatura do Rio a sede dos Jogos de 2016 tiveram que mostrar ontem, véspera da eleição, fôlego olímpico para enfrentar uma verdadeira maratona em busca de votos. O esforço não é à toa: afinal, pela primeira vez desde a década de 30, quando o Brasil começou suas tentativas para sediar as Olimpíadas, o país é finalista da disputa. A partir de 1996, o Rio candidatou-se mais duas vezes, sem passar da primeira fase. Para que hoje o sonho vire realidade — o resultado será anunciado às 14h (horário de Brasília)—, valeu de tudo, em Copenhague, ontem, para cativar os integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Aproveitando que a prefeitura da cidade dinamarquesa convidara representantes de todas as delegações para circular de bicicleta pela cidade, o Brasil mostrou que não está lá a passeio: levou logo uma enorme Bandeira do país — providência básica, mas esquecida pelos Estados Unidos, pela Espanha e pelo Japão. Atletas brasileiros que inicialmente participariam da “bicicleata” foram deslocados para o Hotel Marriott, quartel-general do lobby verde e amarelo. Nos corredores, os delegados do COI eram disputados pelos candidatos.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez parte do frenético lobby pelo Rio e passou boa parte do dia no hotel, onde teve encontros reservados com os eleitores. Uma das conversas ao pé de ouvido foi com o presidente do COI, Jacques Rogge. Na véspera, ele já tinha jantado com delegados do COI. O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, também tentou angariar votos.

No vale-tudo da reta final, o escritor Paulo Coelho, que almoçou com esposas de delegados, prometeu até mesmo plantar bananeira na Praia de Copacabana se o Rio ganhar a eleição.

— Terei 70 anos em 2016, mas disse às senhoras que, se o Rio ganhar, vou plantar uma bananeira na Praia de Copacabana. É só começar a treinar aos 68 — disse Coelho.
Cobra Coral em Copenhagen
A boca de urna olímpica do Brasil teve até ajuda do sobrenatural. A médium Adelaide Scritori, que afirma incorporar o espírito do Cacique Cobra Coral e ser capaz de controlar o tempo, passou parte da tarde sentada discretamente a uma mesa do restaurante do hotel Skt Petrick, base da campanha da Rio 2016. A médium fez projeções espirituais sobre o tempo nas cidades-candidatas, num esforço para ajudar o Rio. Na campanha para 2012, Adelaide afirma ter ajudado Londres, que venceu a disputa com Paris.

A médium tirou fotos em frente a uma praça onde as torcidas de Rio, Madri, Tóquio e Chicago vão se concentrar amanhã. O assessor de Adelaide, Osmar Santos, disse que ela, que tem um convênio com a prefeitura do Rio para prever o tempo, isento de ônus.

— Se ela acertar em Olimpíada como acerta nas previsões do tempo, vai chover votos para o Rio — disse o secretário da Rio 2016, Ruy Cezar.

Assessores dos governos se dedicaram a revisar informações técnicas.

Um grupo coordenado por Ruy Cezar passou mais de quatro horas debruçados sobre um laptop. Um dos segredos guardados a sete chaves é o vídeo produzido pelo cineasta Fernando Meirelles, que será exibido na apresentação brasileira.

— Dizem que é emocionante. Ao que eu saiba, assistiram ao vídeo apenas o presidente, o governador e o prefeito — disse o presidente da Câmara do Rio, vereador Jorge Felippe.

Apesar da intensa campanha pró-Rio, os representantes do Brasil encontraram tempo para encontros com os adversários. Após o mal-estar entre as candidaturas do Rio e de Madri, o rei Pelé conversou com o rei espanhol Juan Carlos I, antes da abertura da assembleia do COI, evento presidido pela rainha da Dinamarca, Margrethe II, e pelo príncipe consorte Henrik. Em almoço oferecido pelos nobres, Lula posou para fotos com a a primeira-dama americana, Michelle Obama.

Uma semana nervosa para Arthur Nuzma

A votação de hoje tem sabor especial para os moradores do Rio, que torcerão pela cidade na Praia de Copacabana, a partir das 10h — onde haverá shows num palco montado em frente ao Copacabana Palace —, mas importância ainda maior para um carioca em especial: Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro desde 1995. Nada mais natural que Nuzman mostrasse sinais de nervosismo em Copenhague. Numa recepção para a imprensa brasileira, segunda-feira, ele tinha lágrimas nos olhos ao descrever suas expectativas da Rio 2016. Em tom de desabafo, celebrava as notícias de que a candidatura carioca era a favorita: — Muitos não acreditavam que o Rio poderia chegar até aqui. Provamos que temos condições de apresentar um projeto vencedor.

Fonte:

Editoria Grande Rio com Luiz Ernesto Magalhães / O Globo
Compartilhar: